João Paulo II


Um pontificado ousado e disciplinador. Nas últimas décadas vivemos duas viradas importantes no Vaticano. Ambas de João: João XXIII (1958-1963) e João Paulo II (1978-2005). Mas diferem na direção. João XXIII rompeu a tradição hierática da era dos últimos papas Pio (IX, X e XI) que culminara em Pio XII (1939-1958). Iniciou o aggionarmento na Igreja, convocou o Concílio Vaticano II (1962-1965). Seguiu-se verdadeira explosão renovadora que Paulo VI apenas deu conta. Abalou-lhe o ânimo a recepção crítica da encíclica Humanae vitae (1968) por parte de episcopados, da grande imprensa e pela imensa massa dos fiéis. Atormentou-o também a desistência de milhares de sacerdotes, uns pedindo a dispensa, outros deixando sem mais o ministério.

Paulo VI oscilou entre momentos de abertura e de fechamento. Por sua vez, a crescente maré de liberdade no interior da Igreja crescia pela força das transformações institucionais, especialmente no campo litúrgico, do comportamento religioso do clero, das pessoas consagradas e dos fiéis. Identificou-se em tal fenômeno o germe da 'secularização', ora analisado sob ótica positiva, necessária resposta aos tempos atuais, ora com temor e desejo de freios e retornos.

Depois do brevíssimo pontificado de João Paulo I, de 33 dias (1978), começa o de João Paulo II. Sem esses antecedentes não se entende nem a escolha da figura de João Paulo como papa nem também o seu pontificado. Acrescente-se que medrava na Igreja Católica novo tipo de fiel. O então jesuíta François Roustang, diretor da respeitável revista francesa de espiritualidade Christus, constatava, em breve e contundente artigo (1965), o surgimento de uma nova consciência do católico. Ele a chamou de 'terceiro homem'. Sem romper com a Igreja e sem ser por ela expulso, comporta-se com enorme liberdade diante de suas leis, mesmo consideradas graves por ela. Segue-as somente e até onde elas lhe respondem a experiência existencial, sem rebeldia nem desprezo. Esse fenômeno profundo e alastrante explica muito das atitudes de João Paulo II. Ele o enfrenta com decisão e contundência.

Para análise exata e rigorosa, cabe distinguir a pessoa do papa e o seu pontificado. Para isso, necessitaríamos de muito mais informação, especialmente de dentro dos bastidores do Vaticano. Só quem lá viveu e vive obtém dados para perceber o jogo difícil e sofrido entre as decisões que o papa toma e o reagir lento, às vezes, corrosivo da instituição. Vale de todos os governos.

A eleição de João Paulo II correspondeu ao desejo conservador da alta hierarquia em face da crescente liberdade interna no seio da Igreja por parte de alguns bispos, sacerdotes, membros das tradicionais Ordens Religiosas, teólogos e movimentos leigos. João Paulo II assume o pontificado, entre outras coisas, para resolver esse impasse.

Exemplo claro aparece no discurso inaugural em Puebla (1979). Com poucos meses de pontificado, não tinha condição nenhuma de avaliar a caminhada da Igreja na America Latina desde Medellín (1968) até aquela data. No entanto, faz pesado discurso aos bispos do continente. Por trás, estava a intenção de frear as forças renovadoras, libertárias e criativas da Igreja latino-americana: bispos avançados, teólogos da libertação, a vida consagrada e as comunidades eclesiais de base (CEBs). Todos problemas internos da Igreja. Chegou a chamar tais realidades de 'magistério paralelo'. Dava claro recado! Ele era o 'magistério autêntico' e todos os outros paralelos, portanto, inaceitáveis.

Isso já bem no início do pontificado. E, ao longo dele, esses setores foram lentamente sendo reconduzidos à disciplina eclesiástica. Os bispos da libertação e inovadores sofreram restrições. Envelheceram e foram morrendo. No seu lugar, nomearam-se outros, alinhados, com pauta clara de limites no exercício do ministério episcopal. No campo da doutrina, multiplicaram-se as famosas 'notificações', silenciamentos e retratações de importantes teólogos. As CEBs padeceram forte pressão para se tornarem subdivisões da paróquia, perdendo, assim, o traço original de autonomia e de rede em lugar da paróquia. O sociólogo Pedro R. de Oliveira distingue as Igrejas com CEBs, toleráveis, e as Igrejas constituídas por CEBs, condenadas a desaparecerem. Algumas grandes Ordens Religiosas conheceram intervenções de Roma. A Companhia de Jesus viveu alguns anos sem um padre-geral eleito, governada por um jesuíta nomeado pelo Vaticano. Visava-se a que ela se alinhasse às orientações oficiais na sua teologia e prática apostólica. A Confederação Latino-Americana da Vida Religiosa sofreu visitação romana. Até mesmo bispos tiveram visitas canônicas de inspecção. E, no campo dos leigos, incentivaram-se os novos movimentos de espiritualidade e apostolado, bem afinados com Roma.

O lado do disciplinamento interno da Igreja não responde, de modo algum, à totalidade do pontificado e da pessoa de João Paulo II. Pelo contrário, parece que não era o de que ele mais amava. Com as viagens, favoreceu o crescimento e o fortalecimento da Igreja Católica. Personalidade fascinante e vigorosa, atraía multidões. Não interessava tanto o que ele falava. Às vezes, soavam discursos distantes do povo. Mas lá estavam as massas para vê-lo e sentir-lhe a força da personalidade. Três iniciativas públicas merecem destaque entre outras tantas. As Jornadas Mundiais da Juventude mobilizaram, pelo mundo, milhões de jovens e acordaram ideais adormecidos em seus corações. Duas vezes (1986 e 2002), convidou as lideranças das religiões do mundo para rezarem com ele na Jornada Mundial de Oração pela Paz em Assis. Belíssimo momento de ecumenismo e diálogo inter-religioso. Para dissabor de muitos da Cúria Romana, na quaresma de 2000, organizou comovente liturgia na qual os principais representantes dos dicastérios romanos pediram perdão à humanidade pelos pecados da Igreja na evangelização impositiva, na Inquisição e em outros desmandos. Gesto de imensa ousadia. Numa palavra: pontificado profético e ousado para fora e disciplinador para dentro.

Fonte: Artigo publicado no jornal O Estado de São Paulo por J.B. Libanio - Padre e Professor da Faculdade de Teologia dos Jesuítas - Belo Horizonte.


TAGs: , ,

0 comentários:

Postar um comentário