Selva de pedra



O tema abordado não se refere a nenhuma novela ou algum romance publicado e sim sobre a "frieza dos sentimentos humanos" e a que ponto estamos chegando nos relacionamentos sociais nas grandes cidades aonde parece que cada pessoa importa-se apenas consigo mesmo e o seu vizinho é uma pessoa totalmente estranha mesmo convivendo durante muito tempo a poucos metros desta pessoa, traduzido em uma "frieza incrível" e inacreditavel.

Os Gerentes de uma Editora de revistas medicinais estão tentando descobrir, porque ninguém notou que um dos seus empregados estava morto e sentado à sua mesa há 5 dias.

George Turklebaum, 51 anos, que trabalhava como Verificador de Texto na Editora de Nova Iorque há 30 anos, sofreu um ataque cardíaco fulminante no andar onde trabalhava (open space, sem divisórias) juntamente com outros 23 funcionários.

Ele morreu tranquilamente numa segunda-feira, mas ninguém notou nada de anormal até o sábado seguinte pela manhã, quando um funcionário da limpeza o questionou, porque ainda estava trabalhando no fim de semana.

O seu chefe, Elliot Wachiaski, disse: 'O George era sempre o primeiro a chegar todos os dias e o último a sair no final do expediente, ninguém achou estranho que ele estivesse na mesma posição o tempo todo e não falasse nada. Ele estava sempre envolvido no seu trabalho e fazia-o muito sozinho.'

A autópsia revelou que ele estava morto há cinco dias, depois de um ataque cardíaco fulminante. Médicos legistas dizem que dentro de três dias após a morte, o cadáver deve apresentar sinais evidentes de decadência: "Odor da morte, descoloração e inchaço e fuga de líquidos. É muito improvável esses sintomas reveladores tenham passado despercebido pelos colegas de trabalho de George Turklebaum até o quinto dia pós-mortem.

Em janeiro de 2004, o tablóide finlandês Ilta Sanomat relatou que um auditor fiscal de quase setenta anos tombou em sua mesa no escritório fiscal de Helsínque e seu cadáver foi descoberto por colegas de trabalho somente dois dias depois.


TAGs: , ,

0 comentários:

Postar um comentário