A Rússia está concentrando tropas na fronteira norte do Irã

Os militares russos prevê que um ataque contra o Irão correrá no verão e tem posto em prática um plano de ação para deslocar tropas russas através da vizinha Geórgia para as bases na Armênia, que faz fronteira com a república islâmica, segundo informou fontes russas.

O Conselho de Segurança Russo, comandado por Viktor Ozerov, declarou que o Alto Comando Militar russo prepara um plano de ação em caso de um ataque ao Irão.

Dmitry Rogozin, que recentemente era o embaixador da Rússia na Organização para o Tratado do Atlântico Norte , OTAN advertiu contra um ataque ao Irã.

"O Irã é nosso vizinho", disse Dmitry Rogozin. "Se o Irã estiver envolvido em qualquer ação militar, é uma ameaça direta à nossa segurança." Dmitry Rogozin agora é o vice-primeiro-ministro russo e é considerado um anti-ocidental e supervisiona o setor de defesa da Rússia.

Fontes russas do Ministério da Defesa dizem que os militares russos não acreditam que Israel tenha meios militares suficientes para derrotar as defesas iranianas e por isto acreditam que a ajuda militar dos EUA será necessário.

A intenção nesta movimentação das tropas russas não seria somente para proteger seus próprios interesses regionais vitais, mas possivelmente para ajudar o Irã em caso de um ataque. Fontes acrescentaram que um acúmulo militar russa na região poderia resultar em um potencial envolvimento russo contra as tropas invasoras.

Fontes bem informadas dizem que os russos alertam para "as conseqüências imprevisíveis" se o Irã for atacado, especialistas russos dizem que os militares russos vão participar diretamente da guerra, porque ela ameaçaria seus interesses russos vitais na região.

O influente jornal russo Gazeta de Nezavisimaya citou uma fonte militar russa, dizendo que a atual situação em torno da Síria e do Irã "faz com que a Rússia acelere o curso de aperfeiçoamento de seus grupos militares no Cáucaso do Sul e nas regiões do Mar Cáspio, Mediterrâneo e Negro."

Esta última informação vem de uma série de relatórios e vazamentos de porta-vozes oficiais russos e agências de notícias do governo que dizem que um ataque israelense é quase certo até o verão.

Devido ao impacto sobre os interesses vitais da Rússia na região, fontes dizem que os preparativos russos para esse tipo de ataque começou há dois anos atrás, quando a Base Militar Russo 102, em Gyumri, Arménia, foi modernizada, passando a ocupar uma posição geopolítica de destaque na região.

Famíliares dos militares russos da base em Gyumri, na Armênia, junto às fronteiras da Geórgia e da Turquia já foram evacuados, dizem as fontes russas.

A "Base Militar Russo 102 é um posto chave avançado da Rússia no Cáucaso do Sul", declarou uma fonte militar russa ao jornal. "Ela ocupa uma posição geopolítica muito importante, e há temores do Kremlin de que não se deve perder essa situação."

Com Vladimir Putin retornando à presidência russa, a perspectiva de que ele novamente ordene um ataque à Geórgia, como fez em agosto de 2008, também se tornou uma possibilidade, dizem fontes do setor.

Os russos acreditam que a Geórgia iria cooperar com os Estados Unidos no bloqueio de todas as vias de fornecimentos para a Base Militar Russo 102, que atualmente é feita principalmente por via aérea. A Geórgia poderia bloquear a rota de transporte terrestre através do qual suprimentos militares russos poderiam ser transportados.

O combustível para a base russa na Armênia vem do Irã. As autoridades russas acreditam que esta fronteira pode ser fechada em caso de uma guerra.

"Possivelmente, será necessário usar meios militares para romper o bloqueio de transporte da Geórgia e estabelecer corredores de transporte que levem até a Armênia", de acordo com Yury Netkachev, vice-comandante das forças russas na Transcaucásia. A Geografia da região sugere que qualquer corredor de abastecimento deste tipo teria de passar pelo meio da Geórgia aproximando-se da capital da Geórgia, Tbilisi.

Em setembro, existem planos militares russos para a realização de manobras militares anuais batizadas de Kavkaz 2012. No entanto, fontes russas bem informadas dizem que os preparativos e as implantações de equipamentos e pessoal militar já começaram em antecipação à uma possível guerra com o Irã.

Essas mesmas fontes informaram que um novo comando e equipamento de controle foi implantado na região capaz de usar o sistema GPS russo, o GLONASS para segmentação de informação.

"A força aérea no Distrito Militar Sul foi reequipada e aumentada em 100% com novos jatos e helicópteros", segundo a especialista Pavel Felgenhauer da Jamestown Foundation, com sede em Washington .

Em 2008, segundo Pavel Felgenhauer, a Kavkaz 2008 efetuou manobras militares que culminaram com a invasão bem sucedidada a Geórgia em agosto do mesmo ano.

O Ministro da Defesa Russo, Anatoly Serdyukov já anunciou que o novo Spetznaz, ou unidades de Forças Especiais, será implantado em Stavropol e Kislovodsk, que estão localizados nas regiões Norte do Cáucaso.

Fontes russas dizem que os militares russos acreditam que se os EUA ajudarem na guerra com o Irã, podem mobilizar forças na Geórgia e navios de guerra no Mar Cáspio, com a possível ajuda do Azerbaijão, que desde já declarou que não permitirá que seu território seja usado por Israel para lançar um ataque ao vizinho Irã.

Houve especulações de que, dada a melhoria das relações entre Israel e Azerbaijão, o estado judeu pode usar bases para lançar ataques aéreos nas vizinhas instalações nucleares iranianas. Israel concordou recentemente em vender ao Azerbaijão 1,6 bilhões de dólares em equipamento militar.

O mais irritante para o presidente da Geórgia, Mikhail Saakashvili é a perspectiva de que as tropas de rusas de assalto aéreo, ou unidadesVDV, poderia ser transferido com helicópteros para duas províncias separatistas da Geórgia, a Abcásia e a Ossétia do Sul. Estas duas províncias foram tomadas pelos militares russos durante a guerra russo-georgiana em agosto de 2008 . Inicialmente, elas foram declaradas como países independentes por Moscou , mas agora o Kremlin está indicando que eles podem ser novamente anexadas à Rússia.

Da mesma forma, tenente-general Vladimir Shamanov, comandante da VDV, anunciou que as tropas russas na Arménia será reforçada por pára-quedistas, junto com helicópteros de ataque e transporte.

"O ponta de lança russo (da região Transcaucásia) podem ser solicitados para atacar o sul para evitar uma presumivel implantação de bases americanas na Transcaucásia, para a ligação com as tropas na Arménia e assumir o corredor energético do Cáucaso do Sul ao longo do qual Azeri, turcomanos, pelo qual o gás natural e o petróleo do Mar Cáspio e chegam aos mercados europeus ", disse Felgenhauer.

"Através de um rápido golpe militar, a Rússia poderá garantir o controle de todo o Cáucaso e os países do Mar Cáspio que faziam parte do seu antigo império", disse ele.

"Ao mesmo tempo, uma pequena guerra vitoriosa uniria o povo russo por trás do Kremlin, que lhe permite esmagar os remanescentes do movimento pró-democracia 'para eleições livres e justas", e como um bônus final, a ação militar da Rússia poderia, talvez, finalmente, destruir o regime de Saakashvili. "

Putin não faz segredo de que ele despreza Saakashvili e com seu retorno à presidência, ele pode pensar em fazer do presidente da Geórgia como um negócio inacabado. Assim como em 2008, Putin não terá muito para se preocupar se ele enviar tropas russas na Geórgia, uma vez que a reação muda dos EUA e dos países europeus serviram anteriormente de aval para a invasão russa e subsequente ocupação.

Fonte: Boletim G2



TAGs: , , , ,

0 comentários:

Postar um comentário