Os maiores enigmas no nosso Planeta.



O nosso Planeta possui alguns enigmas que desafiam a nossa Ciência e exercitam a criatividade e a imaginação de milhares de cientistas do mundo todo que buscam de alguma maneira encontrar uma resposta, uma razão e/ou um significado para a existencia destes eventos inexplicaveis espalhados por todo o nosso Planeta.
  1. As esferas metálicas da África do Sul
  2. Durante as últimas décadas, mineiros na África do Sul tem desenterrado misteriosas esferas metálicas de origem desconhecida. Estas esferas possuem cerca de uma polegada ou mais de diâmetro (0,5 - 10 cm) e algumas delas possuem três sulcos paralelos correndo em volta do seu equador. Dois tipos de esferas são encontradas: uma é composta de um metal sólido azulado com manchas brancas, o outro é oco e preenchido com uma substância branca esponjosa. Elas são encontradas em rochas do periodo pré-cambriano de mais de 2,8 bilhões de anos atrás! Quem as fez e com que finalidade é o grande ponto de interrogação deste enigma. Segundo Roelf Marx, curador do Museu de Klerksdorp, África do Sul, "Não há nada científico publicado sobre estas esferas metálicas, mas os fatos são os seguintes: Eles são encontrados em pirofilita, que é extraído próximo a cidade de Ottosdal na Transvaal Ocidental. Essa pirofilita (Al2Si4O10 (OH) 2) é um mineral secundário macio com uma dureza 3 na escala de Mohs, e foi formada por sedimentação à cerca de 2,8 bilhões de anos atrás. Por outro lado, as esferas, que têm uma estrutura fibrosa por dentro com um escudo em torno dele, são muito duras e não podem ser arranhadas, nem sequer com aço ". "Amostras destas esferas foram enviadas ao Instituto Espacial da Califórnia, na Universidade da Califórnia para serem analisadas e um cientista da NASA declarou que eles não têm a tecnologia para criar qualquer coisa tão finamente equilibrada quanto ela. Ele disse que a única maneira que a natureza ou tecnologia humana poderia criar algo tão finamente equilibrado seria em gravidade zero.".
    Mais informações sobre esse enigma voce pode ler na Wikipedia (Original em Ingles) ou na versão traduzida para o Portugues
  3. As Pedras de Dropa
  4. Em 1938, uma expedição arqueológica liderada pelo Dr. Chi Pu Tei que realizava pesquisas nas montanhas Baian-Kara-Ula, na China, fez uma surpreendente descoberta em algumas cavernas que aparentemente foram ocupadas por alguma civilização antiga - Enterrados sob a poeira acumulada ao longo dos séculos no chão da caverna haviam centenas de discos de pedra. Um total de 716 discos foram encontrados. Medindo cerca de nove centímetros de diâmetro, cada disco um tinha um círculo cortado no centro e foi gravado com uma ranhura em espiral, como se estivessemos olhando para algum tipo de registro fonográfico muito antigo com cerca de 10.000 a 12.000 anos de idade. O sulco espiral, ao que parece, é composto por minúsculos hieróglifos que contam a incrível história de espaçonaves de algum mundo distante que fez um pouso forçado nas montanhas. As naves eram pilotados por pessoas que se chamavam de Dropa, e os restos mortais de seus presumiveis descendentes foram encontradas na caverna. Nem todos os pontos deste caso são claros e alguns dos detalhes são contraditórios, evasivos ou podem ter sido adulterados por escritores imaginativos esensacionalista. Mas, mesmo que apenas uma parte desta história seja verdadeira, ela representa uma das maiores descobertas do nosso tempo. De acordo com relatos, as cavernas podem ter sido construidas artificialmente , e formam um complexo sistema de túneis e depósitos subterrâneos. As paredes eram quadradas e de vidro, como se tivessem cortado a montanha com uma fonte de calor muito intensa. No interior das cavernas haviam sepultura dispostas ordenadamente, e neles foram encontradas ossadas de um povo estranho. Os esqueletos, medindo um pouco mais de 1,20 m de altura, eram frágeis e esguias com crânios desproporcionalmente grande. Em primeiro lugar, um dos membros da equipe levantou a hipotese de que estes esqueletos poderiam ser os restos de uma espécie desconhecida de primata. Mas o Dr. Chi Pu Tei teria respondido ironicamente: "Quem j1< ouviu falar de primatas que enterraram os seus mortos?". Os discos encontrados foram então etiquetados, junto com os restos dos achados da expedição, e guardados na Universidade de Beijin, desde o dia de seu descobrimento. No decorrer de vinte e quatro anos, várias pessoas tentaram decifrar as estranhas inscrições nos discos, porém sem êxito algum. Foi o professor Tyson um dos que, em 1962 se interessou pela editoria dos discos, que se propôs a decifrar o significado destes. Ele e seus colegas descobriram que os sulcos espirais não eram simples desenhos e sim uma escrita incrivelmente antiga, gravada de algum modo desconhecido e de um tamanho quase microscópico. Se isto fosse correto, seria a escritura mais antiga do mundo, já que os discos tem uma idade de 8.000 a 12.000 anos. Para começar, o professor, com ajuda de uma lupa, foi transcrevendo, minuciosamente os caracteres do disco para um papel. Durante este processo, diversas perguntas tomavam conta da mente do professor: "Como pode um povo primitivo ter feito uns discos tão exatos?"; "Como elaboraram uma escritura quase microscópica? e "Quem eram e para quê fim produziram essas centenas de discos?" Uma vez que os caracteres dos discos foram copiados, o professor Tsum Um Nui e seus colegas começaram a árdua tarefa de tentar decifrar seu conteúdo. Finalmente, intercambiando desenho com palavras e frases, conseguiram decifrar parte do código ou escritura. Feito isto, se dedicou a ordenar os discos,da forma mais coerente que pôde, e assim, fazer uma transcrição parcial. A história contada nos discos era simplesmente assombrosa. O Professor Tsum Um Nui passou para o papel a transcrição, assim como suas conclusões e o apresentou na universidade para sua publicação posterior mas foi censurado. Em 1965, inesperadamente, um artigo escrito pelo filólogo russo Vyacheslav Saizev, apareceu na revista alemã Das Vegetarische Universum, e na revista anglo russa, Sputnik, contando a história dos discos, sua composição, e um resumo sobre o que havia sido decifrado pelo professor Tsum Um Nui. Os discos contam a história de uma nave espacial procedente de um planeta longínquo que teve de realizar um pouso forçado nas montanhas de Baian Kara Ula. Os tripulantes da nave (Dropas) buscaram refúgio nas grutas das montanhas e apesar de suas intenções pacíficas, os Dropa não foram compreendidos pelos membros da tribo Ham, os quais, ocupavam as cavernas vizinhas e pensando que eram inimigos que queriam apoderar-se de seu território, perseguiram e mataram alguns deles. Quando finalmente a tribo compreendeu a linguagem, por sinais dos Dropa, admitiram-nos em seu território ao saber que os recém chegados tinham intenções pacíficas. Os discos também contam como os Dropas não conseguiram reparar os danos na nave e ficaram impossibilitados de voltar ao seu planeta de origem, tendo de viver na Terra. Atualmente esta região é habitada por tribos de gente muito distinta dos outros povos ao redor. Autodenominados Dropas (ou Dzopa) e os Ham que não se encaixam em nenhuma categoria racial estabelecida pelos antropólogos. A altura média de um adulto é de 1,25 m. São amarelos, suas cabeças são desproporcionalmente enormes, quase calvos e seus olhos são grandes e azulados, porém não de aspecto oriental. Seus traços são praticamente caucasianos, e seus corpos são sumamente delgados e delicados. O peso médio de um adulto, é de apenas aproximadamente 50 kg.
  5. As Pedras de Ica
  6. Em meados de 1960 o doutor Javier Cabrera Darquea (falecido em 2001), residia em Ica, sua cidade natal situada na região noroeste do Peru. Médico co-fundador da escola de medicina local, ele recebeu, na data de seu aniversário, algumas pedras que lhes foram dadas por Basílio Uschuya, um camponês local. Curioso, Cabrera procurou informar-se sobre a origem das pedras, descobrindo que tinham sido encontradas em uma caverna próxima a Ocucaje, povoado não muito distante de Ica. Isso aguçou ainda mais o seu interesse, e para satisfazê-lo o médico visitou a gruta em questão. Abismado diante do que viu, ele passou a vasculhá-la com cuidado, recolhendo nos anos seguintes mais de onze mil pequenos blocos de rocha com entalhes de todo tipo, que hoje estão expostos no Museu das Pedras, em Ica. Todas as pedras têm gravações estranhas, algumas com desenhos de caçadores capturando animais pré-históricos, ou de homens voando montados no dorso de gigantescos pássaros desconhecidos, de mapas de continentes com conformação diferente das que conhecemos hoje, de eventos astronômicos, de dinossauros convivendo com humanóides e também mapas celestes, enquanto outras sugeriam em seus entalhes avançada tecnologia de medicina, como transplante de órgãos, operações cirúrgicas de toda espécie, descrições de partos cesarianos, remoção de tumores, além do registro de um grande cometa que provocou perturbações catastróficas há milhões de anos. A partir dessas descobertas Cabrera começou a estudar o farto material rochoso que tinha reunido, o que fez durante anos de cuidadosa análise e observação atenta, chegando a conclusões que infelizmente elas não mereceram a devida atenção da comunidade científica mundial. Na primeira delas, divulgada no ano de 1974, ele sustentava que o hormônio contra a rejeição, de vital importância nos transplantes de órgãos, deveria ser procurado nos fluídos da mulher grávida. Pouco mais tarde, em 1980, os médicos Baruj Benacerraf, Jean Dausset, e George Davis Snell Estad, chegavam juntos a mesma conclusão em seu trabalho sobre reações imunológicas, recebendo por isso, no mesmo ano, o Prêmio Nobel de Medicina. Outra proposição de Cabrera tinha relação com o mapa-mundi gravado em uma das pedras e semelhante ao que o almirante turco Piri Reis (1465--1554) desenhou em 1513. Segundo o autor otomano, seu trabalho foi baseado em coleção de mapas antigos que lhe forneceram, e complementado pelos feitos por Cristovão Colombo. Em 1532, quando Francisco Pizarro desembarcou no litoral peruano e iniciou a conquista do império inca, Piri Reis já havia configurado em seu mapa continentes que ele jamais conheceu, mas presentes na gravação cartográfica encontrada em uma das pedras de Ica, entalhadas por gente de um povo que habitava a região desde séculos e séculos atrás. Como explicar tal semelhança? Com relação ao desaparecimento dos dinossauros, o doutor Cabrera informou ter encontrado nas pedras a explicação de que isso teria ocorrido em razão do choque de um meteoro com a Terra. Tal afirmativa foi confirmada em 1980 pelos físicos Luis Walter Alvarez (1911-1988) e seu filho Walter Alvarez, segundo os quais um asteróide de dezenas de quilômetros de diâmetro e treze milhões de toneladas, chocou-se com a Terra há 65,5 milhões de anos, provocando uma explosão equivalente a 100 milhões de megatons que teria formado uma cratera de cerca de 175 quilômetros de diâmetro. O impacto, segundo os Alvarez, foi de tal magnitude que o asteróide se volatilizou e escavou milhões de toneladas de rochas na superfície do planeta, dispersando na atmosfera do planeta 1500 vezes mais poeira que a grande explosão vulcânica do Krakatoa, em 1883. Como conseqüência, a nuvem de pó envolveu o globo terrestre e o mergulhou em trevas que perduraram por dezenas de anos, inibindo inteiramente o processo de fotossíntese. Com o conseqüente desaparecimento da vegetação, os grandes animais, e até mesmo alguns entre os de menor tamanho, desapareceram rapidamente. Somente os pequenos comedores de raízes, grãos e resíduos orgânicos garantiram para si alguma sobrevivência, até a dissipação da grande nuvem de poeira. Declarações de concordância com o doutor Javier Cabrera provocaram reações nos meios científicos. A primeira contestação classificava as pedras como falsas porque, para os acusadores, elas eram gravadas pelo presumido descobridor, Uschuya, denúncia inicialmente aceita pelo mesmo e depois negada sob a alegação de as aceitara passivamente porque o comércio de artefatos arqueológicos é proibido no Peru, e como ele realmente as negociava com turistas, não queria ser preso. Geólogos e arqueólogos também expuseram suas opiniões de que tudo aquilo era uma fraude, mas outros profissionais das mesmas áreas discordaram deles sustentando que elas eram verdadeiras porque as análises físicas e químicas das mesmas comprovavam que eram autênticas quanto à antiguidade. Os leigos alegam, por sua vez, ser muito difícil aceitar a idéia de que um camponês possa entender de cirurgia, arte, história dos Incas, dinossauros, mapas da pré-história, e todas as áreas do conhecimento humano descritas em cada uma delas. Ainda por cima, são mais de 11..000 pedras, e mesmo que ele as tivesse gravado, precisaria ter feito isso em todos os dias de seus 41 anos de idade, uma pedra por dia, desde a adolescência, sem uma única falta a esse trabalho. E então fica a pergunta: ele teria conseguido realizar tal façanha.

    Imagem representaria o transplante de um coração mostrando um processo de bobeamento artificial do sangue.

  7. Bolas gigantes de pedra da Costa Rica
  8. Trabalhadores que estavam efetuando uma derrubada para plantações de banana na década de 1930 na densa floresta da Costa Rica depararam se com alguns objetos incríveis: dúzias de bolas de pedra, muitas dos quais eram perfeitamente esféricas. Eles variavam de tamanho, pequenas quanto uma bola de tênis a uma espantosa bola de 2,5 m de diâmetro e pesando 16 toneladas! Embora as bolas de pedra grandes sejam claramente feitas pelo homem, não se sabe quem as fez, com que propósito e, o mais intrigante, como conseguiram tal precisão esférica.
  9. Livro Oera Linda
  10. O Livro Oera Linda é um controverso manuscrito histórico frísio cobrindo temas mitológicos e religiosos que foi descoberto no século 19. O Livro trata de temas como catastrofismo, nacionalismo, matriarcado, e mitologia. O texto alega que a Europa e outras terras foram, na maior parte de sua história, governados por uma sucessão de folk-mães presidas por uma ordem hierárquica de sacerdotisas celibatárias dedicadas à deusa Frya, filha do deus supremo Wr-alda e Irtha, a mãe terra. O Livro confirma também de que esta civilização Frísia possuía um alfabeto que era o ancestral dos alfabetos grego e fenício. O manuscrito atual carrega uma data de 1256. Algumas correntes sugerem que o Livro é uma cópia de manuscritos mais antigos que, se genuíno, teria sido escrito por várias pessoas entre 2194 aC e dC 803.
  11. Fósseis Impossíveis
  12. Fósseis, como aprendemos na escola, aparecem em rochas que se formaram há milhares de anos atrás. No entanto, há uma série de fósseis que simplesmente não fazem sentido geológico ou histórico. Um fóssil de uma impressão de mão humana, por exemplo, foi encontrado em calcário e a sua idade foi estimada em 110 milhões de anos. O que parece ser um dedo humano fossilizado encontrado no Ártico Canadense também data de 100-110000000 anos atrás. E o que parece ser o fóssil de uma pegada humana, possivelmente usando uma sandália, foi encontrado próximo a Delta, Utah, em um depósito de xisto estimado em 300 a 600 milhões de anos.
  13. Objetos de metal fora do seu tempo
  14. É sabido que o homem aprendeu a dominar os metais a pouco mais de 6 mil anos atras, então como explicar o achado de alguns tubos metálicos semi-ovóides na França cujas idades foram calculadas em 65 milhões de anos? Em 1885, um bloco de carvão foi quebrado e dentro dele foi encontrado um cubo de metal obviamente trabalhado por mãos inteligentes. Em 1912, funcionários de uma usina elétrica quebraram um grande pedaço de carvão para fora da qual caiu uma panela de ferro! Um prego foi encontrado incorporado em um bloco de arenito da Era Mesozóica. E há muitas, muitas mais anomalias desse tipo.
  15. Arca da Aliança
  16. A Arca é considerado o maior de todos os tesouros escondidos e sua descoberta iria fornecer verdade indiscutível sobre o Antigo Testamento. Sua recuperação continua a ser o objetivo de todo arqueólogo moderno e aventureiro. Seu propósito era servir de recipiente para os dez mandamentos dados em tábuas de pedra por Deus a Moisés no Monte Sinai. De acordo com o livro do Êxodo, a Arca é feita de madeira de acácia (semelhante ao de acácia) e dentro de ouro coberto e por fora. Era encimado por um propiciatório que compreende também dois querubins feitos de ouro. Há diversas especulações em torno do lugar de descanso final da Arca, e ao mesmo tempo que seria necessário um operador perspicaz para encontrá-lo, seria necessário uma pessoa corajosa bastante temerária para abri-la!
  17. Angel Hair
  18. Angel Hair é um fenômeno raro que até agora tem desafiado a explicação da ciencia. Ela é composta de fios de seda que caem sobre a terra, mas se você tentar tocá-los é quase certo que desaparecerão diante de seus olhos. É um fenômeno mundial com as ocorrências mais regulares da América do Norte, Nova Zelândia, Austrália e Europa ocidental. Não há nenhuma prova conhecida sobre o que produz esta substância ou até mesmo do que ela é feita. Especulações são de que elas provem de teias de aranhas ou de outro tipo de inseto prdutor de seda, e até mesmo de UFO pois muitas vezes o seu aparecimento é associado a avistamentos de OVNIs. Devido à sua natureza sensível, tem sido difícil coletar amostras e analisa-las e além disto ela está sujeita a contaminação por gases dos escapamentos dos carros e até mesmo ao contato humano o que poderia distorcer os resultados químicos de uma analise.
  19. Mapa de Piri Reis
  20. O mapa de Piri Reis é um mapa famoso do mundo pré-moderno criado no século 16 pelo almirante e cartógrafo turco-otomana Piri Reis. O mapa mostra parte das costas ocidentais da Europa e Norte da África com razoável precisão, e a costa do Brasil também é facilmente reconhecível. Várias ilhas do Atlântico, incluindo os Açores e Ilhas Canárias são retratados assim como é a mítica ilha de Antillia. O mapa é notável por sua representação de uma massa de terra ao sul que alguns afirmam ser uma evidência da existência da antiga Antártida. Alguns estudiosos afirmam este e outros mapas apoiam uma teoria da exploração global por uma civilização pré-clássica desconhecida.


TAGs: ,

0 comentários:

Postar um comentário