Pessoas incrivelmente excentricas.



Todo mundo ama um excêntrico e eles parecem ser uma fonte inesgotavel de criatividade e excentricidade que voce irá entender quando ler a lista completa.

"A quantidade de excentricidade em uma sociedade tem sido geralmente proporcional à quantidade de gênio, vigor mental e coragem moral que ela possui. Atualmente são poucas as pessoas que se atrevem a ser excêntricos e isto marca o principal perigo do nosso tempo"- John Stuart Mill, 1859.


01. Hetty Green (1834-1916)




Hetty Green foi uma senhora avarenta e excêntrica que ficou conhecida como a "Bruxa de Wall Street". Com sua perspicácia nos negócios, ela acumulou tanta riqueza que ela era a mulher mais rica do mundo. A fim de economizar dinheiro, Hetty trabalhava nas dependencias de seu banco local para não ter que pagar aluguel.

Quando seu filho adoeceu, ela disfarçou e levou-o a um hospital de caridade, quando reconhecida fugiu dizendo que poderia curar seu filho sozinha. Infelizmente, ele contraiu gangrena e teve que ter sua perna amputada.

Ela sempre usava o mesmo vestido preto e nunca mudou de roupa e as roupas íntimas que ela trocava só depois que estivessem bastante desgastadas, mudou-se centenas de vezes entre Nova York e Nova Jersey, a fim de fugir dos impostos. Quando faleceu as estimativas de seu patrimônio líquido variaram de U$ 100 milhões a US $ 200 milhões (ou US $ 1,9 - $ 3,8 bilhões em 2006/dólares).


02. William Archibald Spooner(1844-1930)




William Archibald Spooner está para sempre ligado à história porque o fenômeno lingüístico conhecido como "spoonerismo" é em sua homenagem. O "spoonerismo" é a troca acidental (ou às vezes intencional) de letras, palavras ou vogais em uma frase - por exemplo: "Vá e agite uma torre ('Go and shake a tower')" (que significa "ir e tomar um banho" - 'go and take a shower'). Spooner foi professor em Oxford e tornou-se tão famoso por seu "spoonerismo" que as pessoas iam assistir suas palestras apenas para ouvi-lo cometer um erro.

Spooner não só usava as palavras erradas: certa vez ele escreveu a um colega professor para pedir-lhe para vir imediatamente a fim ajuda-lo a resolver um problema. No final da carta, ele acrescentou um post-script dizendo que o "assunto tinha sido resolvido e ele não precisa vir". Alguns spoonerismos atribuída a Spooner são:

"Mardon me padam, esta torta é occupewed. Posso costurar-lhe outra folha? - 'Mardon me padam, this pie is occupewed. Can I sew you to another sheet?'" - (Perdoe-me, senhora, este banco está ocupado. Posso mostrar-lhe para outro lugar? - 'Pardon me, madam, this pew is occupied. Can I show you to another seat?')"
"Vamos esmalte nossos jumentos para o Dean estranho velho- 'Let us glaze our asses to the queer old Dean'" (... levantar nossos copos à Rainha querido velho - 'raise our glasses to the dear old Queen')
"Teremos as bruxas arremessado para fora - 'We?ll have the hags flung out'" (... bandeiras penduradas para fora - 'flags hung out')

03. Simeon Ellerton (1702-1799)




Simeon Ellerton viveu no século 18 e era um fanático por maratonas. Por ele gostar de caminhar longas distâncias, ele era freqüentemente contratado para atuar como mensageiro para os moradores. Em muitas de suas freqüentes viagens ele começou a juntar as pedras da estrada e carregá-las na cabeça. Seu objetivo era reunir pedras suficientes para construir sua própria casa. Depois que ele conseguiu juntar bastante pedras construiu uma pequena cabana para si mesmo. Depois de ter passado tantos anos carregando o peso extra das pedras, ele sentia-se desconfortável sem elas, por isso ele sempre andava com um saco de pedras na cabeça.

04. John Christie (1882-1962)




John Christie e sua esposa são mais conhecido por serem os criadores do Festival de Opera Glyndeborne, mas John Christie também era um famoso britânico excêntrico. Uma noite, enquanto estava sentado ao lado da rainha durante a ópera, ele tirou o seu olho de vidro e depois de limpa-lo, colocá-lo novamente em seu soquete e perguntou a rainha se o mesmo estava devidamente encaixado. Depois que ele começou a sentir muito calor, simplesmente cortou as mangas do paletó formal - que ele costumava usar com um par de tênis velho.

Ele era dono de 180 lenços, 110 camisetas, e apesar de pagar dezenas de milhares de libras em uma produção de ópera, viajava sempre de terceira classe e carregava a sua própria bagagem para não ter de pagar gorjetas.

05. Oscar Wilde (1854-1900)




Oscar Wilde é sem dúvida o membro mais famoso desta lista - e por boas razões. Viveu num periodo de conservadorismo moral, memso assim Wilde conseguiu sobreviver sempre vestido com roupas extravagantes e excentricas, grande parte devido a sua sagacidade impressionante - a verdadeira causa da sua celebridade. Enquanto estudava na Universidade de Oxford, Oscar andava pelas ruas com uma lagosta em uma trela. Seu quarto era decorado com azul brilhante, girassol, e penas de pavão. Ele era o oposto do que a Inglaterra vitoriana esperava que um homem fosse e ele ostentava isto por tudo o que ele valia. Infelizmente um caso com Lord Alfred Douglas pôs fim a uma carreira brilhante quando Wilde foi preso por homosexualismo.


06. Sir George Sitwell (1860-1943)




Sir George Sitwell (pai do famoso escritor Dame Edith Sitwell) era um homem muito estranho de muitas maneiras. Ele era um jardineiro afiado (na verdade ele estudou design de jardim) e, irritado com as vespas em seu jardim, ele inventou uma pistola para mata-las.

Depois ele se mudou para a Itália para evitar os impostos na Grã-Bretanha, ele se recusou a pagar dívidas de sua nova esposa, que lhe renderam três meses de prisão. Ele era um leitor ávido e um colecionador de livros que ele tinha nas sete bibliotecas em sua casa. Dentre outras excentricidades esta o pagamento de uma pensão a seu filho com base no valor pago por um de seus antepassados a seu filho durante a Peste Negra e de tentar pagar as mensalidades escolar do seu filho com produtos de sua horta.

Este é o aviso que Sir George tinha pendurado no portão de sua mansão, em Derbyshire, Inglaterra: "Devo avisar a qualquer pessoa antes de entrar na minha casa para nunca me contradizer ou divergir de mim de alguma forma, uma vez que interfere no funcionamento do meu suco gástrico e impede o meu sono à noite."

07. Gerald Tyrwhitt-Wilson (1883-1950)




Também conhecido como Lord Berners, o seu pai, um oficial naval, raramente estava em casa. Ele foi criado por uma avó que era extremamente religioso e hipócrita, e uma mãe que tinha pouco intelecto e muitos preconceitos. Sua mãe ignorou seus interesses musicais e, vivia focada no desenvolvimento de sua masculinidade, uma característica que para Berners parecia ser inerentemente sobrenatural.

As excentricidades de Berners começaram cedo na sua vida. Uma vez, ao ouvir a sua mãe dizer que você pode ensinar um cão a nadar jogando-o na água, o jovem Gerald prontamente decidiu que jogando cão de sua mãe para fora da janela, ele poderia ensiná-lo a voar. O cachorro saiu ileso, mas o ato rendeu-lhe uma boa surra.

Quando completou nove anos foi enviado para um internato onde passou a ter um relacionamento homossexual com um rapaz mais velho - o relacionamento terminou quando Lord Berners acidentalmente vomitou em cima dele.

Depois de adulto, Berners tornou-se um compositor de relativo sucesso e escritor - e um homem extremamente excêntrico. Ele tinha os pombos de sua mansão tingidos em uma variedade de cores e ele manteve uma girafa de estimação com o qual ele tomava o chá da tarde com regularidade. Seu motorista teve de adaptar no seu Rolls Royce um cravo para Berners pode tocar música enquanto era conduzido em torno do campo. Ele deixou sua herança a seu companheiro mais jovem, o igualmente excêntrico Robert Heber-Percy.

Na lápide de seu túmulo lê-se o seguinte epitáfio: "Aqui jaz Lord Berners, Um dos alunos da vida. Graças ao Senhor Ele nunca estava entediado".

08. William Buckland (1784-1856)




William Buckland é famoso por duas coisas: ele foi o primeiro homem a escrever um relato completo de um fóssil, e ele foi incrivelmente excêntrico quando se tratava de animais e alimentos. Buckland era um apaixonada pela história natural e transformou a sua casa sendo em semelhante a um jardim zoológico. Encheu-o de animais de todos tipos e depois começou a comê-los todos (e servi-los aos convidados).

Um contador de histórias famosas da época (Augustus Hare) narrou esta história sobre Buckland: "Numa discussão sobre relíquias exóticas mostrei-lhe o coração de um rei francês [Luís XIV], preservado em um caixão de prata. O Dr. Buckland olhando para ele, exclamou: "Tenho comido muitas coisas estranhas, mas nunca comi o coração de um rei antes e, antes que alguém pudesse impedi-lo, ele engoliu a preciosa relíquia que foi perdida para sempre."


09. Francis Egerton (1756 - 1823)




Francis Egerton (Terceiro Conde de Bridgewater) herdou o título, juntamente com uma fortuna muito grande em 1823. Ele se tornou famoso por suas festas incomuns que ele costumava realizar para os cães. Todos os cães convidados tinham de estar vestidos a rigor - incluindo os sapatos. Outra excentricidade foi sua maneira de medir o tempo; Egerton usava um par de sapatos apenas uma vez que ele costumava deixá-los alinhados em filas, a fim de contar o passar dos dias. Como ele possuia uma deficiência visual mantinha os pombos e perdizes com suas asas cortadas para que ele pudesse matá-los como esporte.
O canal navegável ligando Worsley a Manchester, que ele projetou para o transporte do carvão obtido em suas propriedades é considerado o primeiro canal moderno da Inglaterra.

A conclusão deste primeiro canal levou Francis Egerton a realizar um trabalho ainda mais ambicioso. Em 1762 ele obteve a licença para explorar a navegação entre Liverpool e Manchester , por meio de um canal. As dificuldades encontradas na execução deste canal foram ainda maiores do que as do canal de Worsley, mas a genialidade de James Brindley, seu engenheiro, mostrou-se superior a todos os obstáculos e as obras foram concluídas quando Francis Egerton já encontrava-se à beira da falência.

Ambos os canais foram construídos quando Francis Egerton tinha apenas 36 anos de idade e o restante de sua vida foi passado colhendo os lucros desses dois empreendimentos pioneiros e da melhoria de suas propriedades, durante os últimos anos de sua vida, ele aumentou a sua fortuna principesca em função do sucesso de sua empresa. Apesar de ser um constante e ardoroso defensor do governo, ele nunca teve qualquer papel de destaque na política.

Quando ele morreu, deixou um grande número de documentos importantes sobre o tema da literatura francesa e italiana para o Museu Britânico, bem como uma grande doação financeira para a Royal Society.

10. Jemmy Hirst (1738 - 1829)




Jemmy (James) Hirst foi um cidadão britânico excentrico tão famoso em seu tempo, que o rei George III ficou curioso e convocou-o para tomar chá. Quando ele recebeu o convite, declinou alegando que estava muito ocupado "treinando uma lontra para pescar".

Acabou aceitando o convite do Rei e no momento de sua recepção jogou um copo de água na cara de um cortesão que estava rindo; Hirst acreditava que o homem estava tendo um "ataque de histeria" pois ele não parava de rir.

Depois da visita ele declarou que teve o prazer de encontrar no seu monarca um "companheiro de aparência simples" e e que havia convidado-o a visitá-lo em rancho para tomarem "bom brandy". O rei declinou ao convite, mas supostamente lhe presenteou com muitas garrafas de vinho da adega real.

Jemmy amava os animais e ele treinou seus touros para se comportarem como um cavalo. Um touro chamado de Júpiter era quem puxava a sua carruagem e era usado como montaria na prática do esporte de caça a raposa, aonde, em vez de cães, ele usava os porcos que tinha treinado como cão caça.

Ele tocava uma buzina para convidar os pobres para a sua casa para receber comida de graça - que ele servia sentado dentro de um caixão. Quando ele morreu, ele solicitou a 12 solteironas que seguissem seu caixão até o túmulo, bem como um gaiteiro e um violinista contratados para tocarem apenas músicas alegres.


TAGs: , ,

0 comentários:

Postar um comentário